Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Cozinha Verde

A Cozinha Verde, da autoria de Filipa Range, tem como principal missão inspirar os portugueses a adotar hábitos alimentares mais saudáveis, ecológicos e compassivos, através da cozinha vegan.

Sex | 01.01.16

Sobre mim

Ⓒ2014 artur / by-artur.com Sara Castro Make Up

O dia em que me tornei vegan

Tomei a decisão de adotar este estilo de vida depois de ver o famoso documentário Earthlings. Resumidamente, este filme aborda todas as temáticas relacionadas com a exploração animal, o meio ambiente e a saúde. Tinha 25 anos e foi o meu primeiro contacto com o veganismo. Nunca tinha parado para pensar no impacto gigante que as minhas escolhas diárias tinham na vida de outros seres, na minha saúde e no planeta. Até àquele dia.

O veganismo passou assim naturalmente a fazer parte da minha vida. Comecei a fazer uma alimentação 100% vegetal. Deixei de comprar vestuário e calçado feito de peles de animais, preferindo os tecidos mais naturais e orgânicos, provenientes de comércio justo, como o cânhamo, bamboo ou algodão orgânico. Os produtos de cosmética e limpeza da casa passaram também a ter escrito no rótulo not tested on animals e ganhei preferência por opções mais ecológicas (e amigas da carteira), como as nozes de saponária, shampoos sólidos, óleo de coco, vinagre e bicabornato de sódio, entre outras soluções maravilhosas que fui descobrindo.

O que começara com uma motivação ética, rapidamente se tornou num estilo de vida saudável que melhorou significativamente a minha vida.

 

 

 

A minha alimentação diária e os benefícios na saúde

bolinhos

 

Aproximadamente 80% da minha ingestão calórica diária é feita através de frutas, legumes, leguminosas, cereais integrais e oleaginosas. Alimentos frescos e de época, no seu estado natural e preferencialmente biológicos. Na restante percentagem incluo alguns alimentos processados, como as bebidas, queijos e iogurtes vegetais, adoçantes vegetais, farinhas e pão integral, azeite extra virgem e óleos não refinados (prensados a frio), molho de soja e tofu, por exemplo.

Com esta alimentação, consigo todos os nutrientes que o meu corpo precisa para funcionar corretamente e ser saudável. É muito importante fazer uma alimentação o mais variada possível, sem cair no erro de fazer sempre as mesmas combinações. Para além disso, hidrato bem o meu corpo ao longo do dia, com água e chás, evitando ao máximo os refrigerantes e outras bebidas açucaradas, e deixando as bebidas alcoólicas para dias especiais.

Dou sempre preferência aos alimentos integrais, em detrimento dos refinados, sendo que estes últimos são essencialmente calorias vazias, e muito pobres em nutrientes.

A mudança alimentar trouxe-me também vários benefícios no que diz respeito à saúde e bem-estar geral. Felizmente não sofria de nenhum problema de saúde grave e recorrente, mas mesmo as pequenas constipações passaram a ser menos frequentes e facilmente tratáveis sem recurso a medicação. A mudança mais visível foi no funcionamento digestivo. Com uma alimentação muito mais rica em fibras e vitaminas, o meu corpo passou a funcionar corretamente. Para além disto, notei um aumento considerável nos meus níveis de energia, memória e concentração. Senti também imensas melhorias na pele no que diz respeito à hidratação/pele seca, que sempre me caracterizou.

 

IMG_9493.JPG

 

 

Mudar de vida

 

Licenciei-me em Gestão, no ano de 2008, e comecei a trabalhar numa reconhecida multinacional como auditora financeira. Mantive-me cinco anos, mas sei que, nos últimos dois, já tinha chegado à conclusão de que aquele trabalho não me satisfazia nem estava alinhado com os meus ideais. Só não sabia como mudar, nem que rumo deveria seguir. Era mais fácil manter-me como estava, pensei eu durante muito tempo. Insatisfeita, mas segura. Desde muito cedo que sonhava em ter o meu próprio negócio. Mas mais uma vez, o medo do desconhecido bloqueava o meu desejo de voar e sonhar mais alto. No pico da minha insatisfação na empresa onde estava, decidi investir numa pós graduação em Gestão Hoteleira, uma área que tanto me apaixonava desde pequena.

Esta foi também uma fase da minha vida de muita introspeção e trabalho em mim mesma. Devorava livros de desenvolvimento pessoal e vídeos motivacionais, na procura pelo meu propósito de vida. Nessa altura, só tinha certeza de uma coisa: não queria contentar-me com o que tinha, por mais que a mudança me assustasse só de pensar nela.

Em 2013, com a descoberta do veganismo, descobri também uma nova paixão: a cozinha. Alguns meses depois, tomei uma decisão que implicou uma mudança significativa mas muito positiva na minha vida. Despedi-me para me dedicar exclusivamente a este projeto, com o objetivo de inspirar outras pessoas para um estilo de vida mais saudável, ecológico e compassivo.

 

A Cozinha Verde lecciona, todos os meses, workshops de cozinha, show cookings, palestras e outros eventos de alimentação saudável, para empresas e particulares. Para quem pretenda conhecer esta alimentação e estilo de vida de uma forma mais personalizada, criamos o “Vegan em casa”, um serviço ao domicílio que oferece um workshop personalizado seguido de refeição, 100% adaptado às necessidades do cliente.

Para além da componente de coaching e formação, A Cozinha Verde oferece também um serviço de catering e de entregas de comida vegetariana ao domicílio.

 

Maria Moleiro / de verde em poupa

 ⒸMaria Moleiro / De Verde em Poupa

 

Conselhos para começar

 

Informe-se

Como muitas vezes digo, a informação é a nossa melhor aliada. Pessoas informadas tendem a fazer melhores escolhas. A Cozinha Verde podem ser uma boa ajuda, tanto para uma fase inicial como para uma fase mais avançada para que não se deixe levar pela monotonia alimentar. Procure conhecer pessoas que passaram ou estejam a passar pela mesma mudança e troque experiências. Existe uma grande comunidade online (fóruns, grupos, blogs e sites) que o pode ajudar a esclarecer algumas dúvidas. Ao estar bem informado, estará também mais seguro em relação às suas novas escolhas, que aos olhos de uma grande parte dos portugueses são ainda vistas como estranhas e muitas vezes mal compreendidas. Com a dose certa de informação, pode inclusive inspirar os seus familiares, amigos ou colegas de trabalho para que também eles conheçam os benefícios das suas mudanças alimentares.

 

Pequenos passos, grandes mudanças

Pode começar por fazer uma refeição vegetariana por semana, à semelhança da campanha mundial 2as Sem Carne, lançada em Portugal em Outubro de 2011 pelo PAN. Aos poucos, aumente o número de refeições semanais 100% vegetais. À medida que o tempo for passando, vai sentir cada vez menos necessidade de ingerir carne e outros produtos de origem animal, principalmente quando começar a sentir os benefícios destas mudanças.

Independentemente de optar por fazer esta alimentação uma vez por semana, em regime de part-time ou full-time, o importante é que comece. Embora no meu caso a mudança tenha sido mais rápida (entenda-se, de um dia para o outro) e de ter funcionado bem para mim, a verdade é que nem todos nós agimos da mesma forma perante as mesmas situações, e nem os nossos corpos (e estados de saúde associados) permitem fazer o mesmo tipo de mudanças. Por isso, escute com atenção o seu corpo e aja de acordo com aquilo que ele lhe transmite.  

Existem outras mudanças que pode começar a fazer desde já, de forma mais imediata ou mais gradual, como a substituição dos alimentos menos (ou nada) saudáveis que habitualmente consome. Substitua o açúcar branco por uma alternativa mais saudável (como as tâmaras), o arroz branco pelo arroz integral, o sal refinado pelo sal marinho integral, as farinhas refinadas pelas integrais. A partir do momento em que deixar de ter por perto estes alimentos, será muito mais fácil a transição para uma alimentação mais saudável. No que diz respeito aos alimentos de origem animal, pode experimentar fazer a mudança da mesma forma. Consuma aquilo que já tem, mas evite comprar novos alimentos de origem animal, substituindo-os por alimentos vegetais que cumpram o mesmo efeito.

 

Cozinhe!

Somente a prática leva à perfeição, por isso o melhor conselho que lhe posso dar passa por colocar em prática os seus conhecimentos…na cozinha! Neste blog, no meu livro e no meu canal youtube encontra uma criteriosa seleção de receitas vegan deliciosas, nutricionalmente equilibradas e pensadas para todas as suas refeições diárias. São receitas simples e rápidas, com o bónus de grande parte delas serem também muito versáteis, ou seja, facilmente adaptáveis para possa criar versões diferentes. Deixe-se levar, receita a receita, pelas cores, texturas e sabores de uma cozinha verde.

 

Ⓒ2014 artur / by-artur.com Sara Castro Make Up

4 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Anónimo

    11.06.18

    E no seu coração, o que é mais pernicioso? A palavra "exploração" diz-lhe o quê? Quanto ao nosso Planeta, o essencial é o equilíbrio.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo

    18.06.18

    Boa tarde.
    No meu coração, entendo que não existe vida sem morte. E que esta faz parte do nosso mundo.
    Não entender isso, é não entender o mundo em que vivemos.
    E como humano, pertencente a este mundo e não a um tipo Disney onde os bichinhos são todos amiguinhos, entendo que a produção animal é essencial.
    Naturalmente que não me revejo em produção enclausurada de animais, por isso só compro carne de animais criados em regime extensivo.
    Para além de melhor do ponto de vista nutricional, é muito mais "humano" para os animais!
    O problema, é que hoje em dia as pessoas perderam por completo a ligação à terra, o que leva a que se ache errado criar animais para consumo (quando efectivamente a carne é o alimento nutricionalmente mais denso e mais adequado para o ser humano) o que levou ao aparecimento deste tipo de dietas, só possíveis na sociedade de consumo actual onde todos os produtos vegetais estão disponíveis durante todo o ano (ao contrário do que se passa na natureza), e na maioria das vezes à custa do mundo natural de países menos desenvolvidos e das comunidades que aí habitam! Tudo para que no mundo ocidental, uns quantos "iluminados" durmam melhor, achando que não deixam pegada neste planeta...
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo

    23.08.18

    Parece-me que é você quem se acha "iluminado", pois não aceita que outras pessoas pensem e vivam de maneira diferente do "convencional".
    A sociedade evolui e a herança dos nossos antepassados não é necessariamente a correcta, ou ainda teríamos as arenas romanas e a escravidão, por exemplo.
    Por outro lado, os nossos antepassados só comiam carne em dias especiais, ou seja muito poucas vezes no ano. E sempre cultivaram a terra e guardaram nos celeiros para as outras Estações do ano.
    É óbvio que não existe vida sem morte, mas podemos evitar o sofrimento e o exagero, e você sabe que essa preocupação não existe em quem lhe coloca a carne no supermercado.
    Entender que o Planeta é, por direito, de todas as espécies e não só dos humanos e para os servir, para mim significa evoluir.
    Mas entendo que todas as grandes mudanças começaram assim, apontadas como loucura por parte dos céticos.
    O objetivo é deixar uma boa pegada no Planeta.
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.